Quando acontecem lesões muito graves ou cirurgias muito complexas, algumas partes do corpo perdem muita pele, e não é possível esticar a restante para o fechamento do local, além disso.

Por isso, uma das soluções é o retalho cutâneo, no qual se repõe a área retirada com a pele de uma área doadora próxima e transfere-se para a área receptora, sendo possível então esticar onde houve a perda.

Diferente do enxerto, no retalho há a retirada da pele da área do com os vasos sanguíneos dela, trazendo um resultado mais natural, uma vez que a região não precisa criar novos vasos, e mais uniforme, uma vez que não se corre o risco de destacar o local devido a características de pele diferentes.